05 Dicas para Não Errar na Iluminação


Iluminação, ao contrário do que muitos pensam, é um dos itens mais importantes em um projeto. É ela que tem o potencial de arruinar o seu trabalho exaltando imperfeições, ou de exaltar o seu espaço focando nas partes mais importantes e criando efeitos maravilhosos, além de funcionais - claro. As possibilidades de erro são infinitas, principalmente porque o conhecimento sobre projeto luminotécnico é super escasso, eu mesma tive que buscar um curso extra, já que na faculdade de arquitetura mal aprendemos os nomes das lâmpadas. Vamos lá, como NÃO ERRAR na iluminação do seu espaço: 1 - Não faça mudanças abruptas de cor Essa é clássica! Difícil achar um ambiente sem projeto que acerte! As lâmpadas e luminárias integradas (as que não precisam trocar lâmpadas) possuem uma propriedade que se chama “temperatura de cor”, é ela que vai te dizer se a luz é mais branca (mais próxima de 6500 kelvin) ou mais amarela (próxima de 2700 kelvin). Quando você optar por iluminar um ambiente com amarelo, por exemplo, não ilumine um ambiente ao lado com luz branca, esse contraste ao passar de um para o outro gera uma sensação de azular ou alaranjar o ambiente que é desconfortável. Prefira fazer uma transição com luz de cor neutra (4000 k) para suavizar esse contraste de cor.

2 - Branco não ilumina mais Essa crença é uma briga constante com pelo menos 50% dos meus clientes. A “cor da luz” e a “quantidade de luz” são parâmetros totalmente não correlatos, seria o mesmo que usar uma balança para medir a altura de alguma coisa, não tem nada a ver, acredite, eu imploro! Uma lâmpada branca e uma lâmpada amarela da mesma marca e modelo, sempre emitirão exatamente a mesma quantidade de luz. Escolher a cor da luz é uma tarefa HIPER importante, já que ela tem efeitos diretos sobre o nosso psicológico, entenda: A luz amarela traz uma sensação maior de aconchego, descanso, é mais sensual e confortável, ideal para ser colocada em ambientes de repouso, lazer e estar. Já a luz branca desperta a concentração e a sensação de assepsia, quando iluminamos um ambiente branco com luz branca ele parece mais brilhoso, mais limpo, é o caso de banheiros e cozinhas que não tenham função social (não gourmets). Porém a luz branca tem efeito deprimente! Comprovado! Então deve ser usada com cautela! Eu, se possível, não uso nunca. Prefiro a luz neutra. Mas quando a briga é feia, coloco em escritórios, banheiros, e uma segunda opção para quartos quando há escrivaninha. Mas nunca como iluminação principal de um quarto.

A luz da foto abaixo é amarela, apenas é forte! Intensidade importa, cor não!

3 - Você não precisa iluminar tudo Inclusive, iluminar tudo vai prejudicar todo o seu projeto, eliminando todas as possibilidades de efeitos. Iluminação é um jogo de luzes e sombras, as sombras são fundamentais para conferir dramaticidade e exaltar a volumetria ou a importância de elementos sobre outros. Além disso, ao não iluminar algo que você não gosta, um acabamento mal executado por exemplo, você consegue tirar toda a atenção daquilo, fazendo com que praticamente desapareça.

4 - Saiba usar as Lâmpadas Focais As lâmpadas focais são as responsáveis pelos efeitos dramáticos do projeto de iluminação, elas apresentam um foco fechado, fazendo com que a luz se concentre em um ponto e gere uma grande quantidade de sombras, conferindo dramaticidade e exaltando a volumetria das peças iluminadas. As mais típicas são as chamadas dicróicas (não é “croica”! É DICRÓICA mesmo!), AR e PAR. As tipo par são mais utilizadas para area externa por terem uma boa blindagem contra umidade, mas eu amo usar em interior, porque ela gera menos sombra que as demais, e ainda tem uma luz linda. A AR - normalmente - possui o feixe mais fechado e definido, mais dramática, perfeita para obras de arte, cortinas com pregas bem marcadas, coisas volumétricas, é também mais cara. A dicróica é a mais econômica das três, costuma espalhar mais, com um grau mais aberto no feixe, mas ainda tem uma luz linda! Ótima para maiores superfícies e pés direitos baixos, ideal para quadros e mesas. Esse tipo de iluminação é perfeito para peças de decoração, obras de arte, vegetação, revestimentos 3d ou texturados, cortinas, mesas, e bancadas em lavabos. Porém, ao exaltar os volumes, é absolutamente importante que ela não seja colocada em locais de permanência de pessoas! Como cadeiras, sofás, local de maquiagem, provadores etc, isso porque ela vai mostrar com primor os relevos, ou seja, rugas, gordurinhas, estrias, tudo o que queremos esconder, então por favor, nos ajudem evitando esses constrangimentos!

5 - Repare na qualidade do IRC IRC significa “índice de reprodução de cor”, é esse parâmetro que vai dizer a fidelidade com que sua lâmpada reproduz cores, e sabe porquê isso é importante? Quem nunca comprou um produto em uma loja esperando que fosse de uma cor, e quando põe em casa está de outra? Mulheres costumam ter experiências assim comprando maquiagens (quem nunca errou o tom de uma base ou corretivo, não é meninas?). Como não errar: todas as lâmpadas tem esse parâmetro indicado na embalagem! Evite comprar abaixo de 80, compre de 90 para cima sempre que possível. Vocês vão perceber diferença entre as marcas, as que produzem lâmpadas piores, costumam sair mais baratas, até que ponto compensa a sua economia? Chegamos ao fim do artigo! Gostou? Aprendeu algo novo? Comente abaixo para mim! E você pode compartilhá-lo em suas redes sociais através dos atalhos abaixo! Se ainda não me segue no instagram clique aqui e aproveite e comente na minha última foto #VimDoBlog e vou dar uma olhadinha no seu perfil!

#iluminação #lightdesign #dicadeiluminação #errosdeiluminação